Temer na cadeia Aécio na cadeia

Temer na cadeia Aécio na cadeia
Copiem e colem em seus perfis

sábado, 25 de junho de 2011

REBATENDO VOLTAIRE



François-Marie Arouet, mas conhecido como Voltaire, em seu livro “Histoire de Jenni ou Athée el le Sage” (História de Jenni ou o Ateu e o Sábio) criou uma estória de um garoto filho de um padre anglicano como desculpara para caluniar os ateus.

Embora o seu personagem Freind reconheça “ateus honrados”, no caso, Epicuro, Leontium, Lucrécio, Memmius, Spinoza, e Hobbes; afirma que o ateu rico viveria com honra em sociedade, enquanto o ateu pobre seria tolo se não matasse para roubar.

Isso é a expressão de um duplo preconceito; mostra claramente que Voltaire não confiava nas classes mais baixas, ligando-as diretamente ao crime. Mas, se a realidade correspondesse, não haveria tanto rico ladrão ainda hoje, e na própria época em que ele escreveu o livro.

E se Deus fosse um freio, como é afirmado num trecho logo a seguir, não haveria tanto derramamento de sangue em nome das religiões. Os ateus nunca fizeram cruzadas, nem crucificaram ninguém. Muito menos lutaram para ocupar terras ditas “santas”.

O pastor anglicano Freind ainda afirma que Agostinho teria visto povos sem cabeça e de um olho só, dando a entender que tal coisa seja verdade simplesmente por que Agostinho teria escrito. Mas é um absurdo! Uma grande mentira! Como François quis que alguém acreditasse em absurdo tamanho?

Birton, o personagem supostamente ateu, que na verdade seria um agnóstico, por que não tinha convicção, coisa que François deixou claro desconhecer; fala “por Deus”. Um ateu não falaria assim perante um debate sério, a não ser por deboche.

Birton e Freind são iguais num aspecto, ambos são racistas. Freind considera os negros subumanos enquanto Birton não gosta de judeus. Podemos concluir disso que o próprio François era racista.

O livro mais parece uma missa anglicana em que ao mesmo tempo são caluniados os ateus e a Igreja Católica é atacada. Enquanto os fanáticos são descritos como a pior espécie de gente.

Para Voltaire, os ateus seriam monstros pensantes que poderiam ser convertidos por que tinham idéias próprias enquanto o fanático era um monstro pior, justamente por que é um ser que não pensa, apenas segue.

O problema é que esse medo do ateísmo é um preconceito fanático, logo, François-Marie Arouet era um deísta fanático amador do anglicanismo.

O tempo mostrou que Voltaire está errado e eu estou aqui para lembrar o erro deste pensador. Já se foi o tempo em que não se poderia rebater pensadores, está na ora de surgirem questionadores com coragem para desmascará-los.

O ateísmo não é apenas um movimento, mas sim um ato de coragem. Para mim é uma conquista mental pessoal. Há quem veja como uma coisa inevitável em suas vidas. Ser ateu, acima de tudo, é ter a coragem de abandonar as amarras mentais impostas pelas religiões; uma superação das culturas e ao mesmo tempo estar vivendo um estado natural da mais pura sanidade mental.

Ser ateu é não se dopar; sair da caverna para ver o mundo real como de fato é, sem superstições. O misticismo é, foi, e será o maior dos males da face da Terra por que ele é que mata os inocentes, justifica o injustificável, elege os maiores crápulas, escraviza os sujeitos e põe a culpa nos fracos.

Abaixo Voltaire e viva o ateísmo!

Diga não ao preconceito aos ateus.

Pense!

Seja um questionador!

ATEU POETA