sábado, 25 de junho de 2011

PROJEÇÃO



Sou mais a projeção de mim que eu mesmo, assim como as coisas no pensamento rotulador humano. Como não ser um instrumento da dúvida nesse falso universo que se apresenta através dos sentidos?

Por que não enxergo o real sem esforço se a verdade que busco com tanta ânsia não corresponde ao sentido da existência?
Se a mentira é decadência, então como ela consome tantos pensadores a defendê-la como se a própria fosse factual?

E pior que isso, se entender o que se passa, ou melhor, aproximar-se da razão, dói tanto, não chega a ser masoquismo esse desejo infindo pela sapiência das transcendências elementais?

Por que o expectro de luz emanado pelos átomos e das constelações e estrelas, no efeito dopler e na expansão do universo, vale tanto quando desconstrói os valores religiosos, que muitos pensam ser os morais, e causa transtorno mental para os próprios físicos, químicos, biólogos e filósofos que se aprofunfam no assunto?
Para que tanta preocupação sócio-ambiental se a vida é tão curta? Por que não consigo parar com as perguntas quando sei que jamais compreenderei as respostas e que ninguém poderá responder?
A própria razão, que possivelmente é um mero mecanismo evolucionário para garantir-me a sobrevivência e, talvez por acaso, me faz compreender uma mine-fração do real por meio de projeções, o que não passa da aglomeração de imagens recolhidas do exterior que depois de processadas, por assim dizer, formam imagens internas, rema contra a maré de si mesma ao produzir a triste sensação de vazio que abate muitos pensadores. Mas não imagino a razão por trás disso.
De repente, o que tanto procuro entender já se encontre no meu conhecimento, ao menos em parte, e seja o próprio defeito da matéria que vira putrefata e se renova no ciclo da cadeia alimentar que gerou a vida, que evolui, talvez graças a algo semelhante ao grande dilaceramento de uma molécula que se casou com o vácuo a gerar as estrelas das quais sou simples poeira.
Sonho coisas impossiveis e vejo alguns dizerem que o impossível é que é impossível só que para um apenas ou para o universo em si, dando vida em seus discursos a coisas inanimadas. Quem nunca desejou a imortalidade ou possuir algumas qualidades dos heróis de HQs?
Por que será que o misticismo é tão forte na vida dos povos em todos os continetes? Será que é apenas questão de poder e terror diante da morte? A humanidade teme tanto a morte que crê nesses seres imortais que criou para que a criasse e a tornasse também imortal por meio de uma coisa imaginável a qual chamou de espírito. Morrer será sempre um conflito ou um dia o homem não mais será aflito?
Por que obedecer a monstruosos velhos em trajes à rigor, jungando as pessoas pelas roupas, quando o que masi quero é jovens mulheres nuas sobre o meu domínio passageiro?
Estamos sempre argumentando em prol da liberdade, mas esta não existe, uma vez que só seria viável quando nenhuma matéria tivesse efeito sobre o ser livre.
Mas também confunde liberdade com felicidade quem afirma que a última não existe, o que não é verdade. Felicidade não é alegria sempre e tristeza nunca e sim o sucesso pessoal de uma vida com mais equilíbrio que desequilíbrio. O que é algo possivelmente viável e geralmente depende mais da força de vontade do sujeito que do meio.


Mesmo o ermitão tem sua identidade formada mais em função do outro e do meio que de si mesmo, ainda que seja de extrema vaidade. O sentimento de pertença, as linguagens locais e os costumes são provas disso; da importância que o sujeito dá a si mesmo dependendo do quão aceito seja pelo grupo.

.

ta é achar-se livre no casamento e principalmente no trabalho assalariado com cada vez mais impostos e anos de contribuição com a aposentadoria diminuindo, exceto dos poderosos. E o déficit é gerado pelo fator previdenciário, segundo eles. quando na verdade existe por aí um par de ladrão de gravata com dólar na cueca, na mala, na meia ou nas Ilhas Cayman
.
Os paraísos fiscais servem para financiar o tráfico de drogas e armas, além de ser gasto uma boa grana com boas prostitutas. 

O que a máfia italiana faz no Brasil? Será que está por trás dos seqüestro-tráfico-assassinatos, principalmente de mulheres e crianças, para o regime de escravidão, prostituição forçada e tráfico de órgãos internacionais?
Por que a vida não pode ser como a música "Imagine" dos Beatles; sem fronteiras físico-mentais entre as pessoas e ver todos vivendo para o agora, já que o resto é projeção?


ATEU POETA

Nenhum comentário: