Temer na cadeia Aécio na cadeia

Temer na cadeia Aécio na cadeia
Copiem e colem em seus perfis

quinta-feira, 19 de junho de 2008

LOBO BRANCO


LOBO BRANCO

CAP1: O BOÊMIO

Quando eu era menino
Só amava a vida
E esta me sorria
Hoje sofro no esquecer duma guria

Quis esquecê-la
Mas meu coração, maldito
Fez um trato com o Satã
Atirou-me num conflito

Não morri nem sei por quê
Contudo, ainda tenho a fantasia
Pois não tê-la é um tormento
Moro nesta primazia

Caí na rasteira do descontentamento
Meu âmago atingira a mim mesmo
Quando detectou tão perfeita obra
O que sobra é a dobra de um sonho a esmo

Minha musa inspiradora
Bela enfermeira Isadora
Anjo lindo, me despreza
Sou eu quem mais a adora


Isadora lê o escrito por sobre o ombro do cantor que estremeceu ao vê-la.

_Não o desprezo, poeta, entretanto, sou casada. Minha casa está adornada para o aconchego de meu bem, você sabe tão bem que não desejo seu mal. Mas ponha-se em seu lugar de homem casado, sou amiga de Clarice; não a quero de coração arrasado.

_Realmente, eu sou um louco por estimar o inalcançável. O álcool não me consola nem a viola me implora notas de composição. Só a poesia me compreende, vou mudar de profissão. Sou um poeta bêbado sobre a emoção, embriagado de bem-querer. Já me separei de Clarice, se você não me quiser de ninguém mais serei; em nada mais sinto prazer.

_Já lhe disse que sou casada, além do mais pretendo ser sempre leal. Não se engrace comigo ou se dará mal._ O boêmio espera a enfermeira virar-se de costas para agarra-la por trás e dá-lhe um beijo de supetão.

_Solte-a, se quiser viver!_Diz alguém para o espadachim, que a larga e se vira para dar de cara com Heitor empunhando uma escopeta. O capoeirista dá uma rasteira no judoca, desembainha sua espada, encostando-a em seu pescoço.

_Não desta vez. Agora você morre seu..._A bela dos olhos castanhos acerta o boêmio com uma cadeira do bar onde estavam. 

Os homens lutam dentro do estabelecimento. Nesse entretempo, o balconista se apossa da arma de fogo dando um tiro no chão.

_Sentem-se, ou atiro em vocês!

Alguns instantes mais tarde a polícia chega, mas Amadeu e Heitor portavam espécies de submetralhadoras escondidas na manga. Um atira contra o balconista, o outro contra a viatura. O judoca recupera sua espingarda e foge, o violeiro pega a espada dourada caída e continua o tiroteio contra o reforço policial que chega em seguida.

Um androide idêntico ao atirador de classe alta adentra o bar através de um túnel no interior do mesmo, por onde o artista foge sem ser notado. O ciborgue é preso no lugar do capoeirista.

De sua mansão Amadeu controla o ciborgue, por meio dele conhece Müller (um sujeito alto, magro e de cabelos caídos nos olhos, conhecido por Caipora) e Pedro (um ladrão muito rápido e habilidoso chamado de Flash), formou com eles o C.B.F (Comando da Branca Filiação, todos que participaram dessa espécie de máfia mudavam os sobrenomes para Nuvem Branca).

Caipora comandava um grupo de assaltos a mão armada, todos vestidos de policiais. Recrutava novos integrantes ao invadir delegacias e cadeias pelo mundo.

Flash assaltava bancos via subsolo e roubava contas bancárias por meio da internet com vírus de computador que fabricava.

O Boêmio vendia as armas de sobra que os dois arrastavam das próprias tropas de elite do governo.

O espadachim invade a casa de Isadora, trocando tiros com seu marido para sequestra-la. A conduz para um iate gigantesco,todo branco e tremendamente luxuoso;com piscinas de hidromassagem, salas de leitura, videogames ultramodernos, computadores com tela de plasma, quadras as mais diversas para a prática de esporte, etc.

O marido da enfermeira cria um grupo militar chamado Justiceiros, que mudam seu sobrenome para Nuvem Negra.

_Os Justiceiros estão chegando, mestre._ Avisa Pedro._Eu ativei todos os canhões e alertei os soldados.
_Muito bem. E Caipora?
_Tomei um dos navios deles, Mestre._Fala o próprio Müller por um relógio no pulso do poeta._Porém, perdi todos os meus subordinados, careço de reforço urgente.

_Flash, localize-o, mande alguns dos meus androides e um homens de sua confiança para auxilia-lo.
_Assim o farei._Pedro retira-se para o laboratório do iate.
Uma fumaça branca domina o ambiente, um dos robôs agarra o cantor-poeta-espadachim, conduzindo-o a um jato de fuga. Instantes após, os Justiceiros invadem o navio, afundando-o e travando sangrenta batalha com os tripulantes.

Um exército branco versus outro negro, com integrantes voadores de ambos os lados, o fogo cruzado não deixa inteiro nenhuma das tripulações. O exército preto também possuía iates iguais ao de Amadeu.

_Bater em retirada!_Flash dá o comando ao ver tudo em chamas.
Nesse momento, o boêmio encontrava-se em seu castelo de gelo, na Antártida com Caipora a caminho do mesmo que estava sendo atacado piamente por Heitor e defendido por androides.

Isadora é retirada do castelo pelos Nuvem Negra, que o explodem em seguida. O líder do Nuvem Branca fica preso nos escombros. Congelando pr 100 anos até o derretimento das calotas polares.

Um Homem de branco é visto a boiar e salvo por um navio de cruzeiro feminino. Belas jovens fazem-lhe respiração de salvamento. Entre elas, uma se destaca.

_Isadora, você me salvou, meu amor._Amadeu beijou-a como se fosse morrer naquele minuto.

A linda morena ostentava os mesmo traços faciais de sua avó e também se chamava Isadora, garota de 13 anos que dava o seu primeiro beijo.

CAP2: ANJO VERMELHO

No meio da noite, vestindo uma roupa semelhante a do Spider-Man, acrescentada de um par de asas escarlates, empunhando sua espada dourada de diamante, Amadeu voa.

_Por acaso seu nome é Amadeu Nuvem Branca?_O cogitador se aproxima, outro, junto deste, repete os passos_Sou Müller Nuvem Branca Neto e este é Pedro Nuvem Branca Neto. A tripulação foi poupada por sua causa.

_Onde está Isadora?_Interroga o poeta atônito, desce ao solo e continua._Se alguma delas se haverão comigo. O fato de serem da minha família não os isenta de vingança.

_Calminha, meu amor, estou aqui._Diz Isadora._As minhas amigas e eu estamos bem, o problema é que há 100 anos existia um boêmio capoeirista apaixonado pela minha avó, Isadora; ela era casada com Heitor, um campeão mundial de judô. O boêmio-cantor-violeiro, conhecera na cadeia Caipora e Flash, dois pilantras com quem fundou o Clube da Branca Filiação da família Nuvem Branca.

Heitor, meu avô, então, cria os Justiceiros da família Nuvem Negra. Desde então, vem guerreando contra você. Não compreendo como pôde permanecer com a mesma aparência dos 18 anos.

_Bateu a cabeça, mulher? É verdade que sou líder duma quadrilha e sequestrei você. Acha que vou cair nessa; um século de existência do papai aqui, até que seria bom, mas você enlouqueceu de vez!

_Meu caro, meu pai me contou que na Antártida havia um imenso castelo de gelo e que meu avô não pode tirar o mestre da gangue debaixo dos escombros que Heitor causou._Fala Müller._Hoje, as calotas polares derreteram por completo, o que ocasionou o seu descongelamento.

_Quer dizer que fui preservado até agora sem mudar minha feição por pura sorte?
_Se soubesse de quem se tratava deixaria que falecesse, seu patife!

O exército do Justiceiros adentra o navio, homens vestidos de anjos, alvos e pretos trocam golpes de espada e tiros por ar, água e solo. O navio afunda, no porão deste Amadeu se congela na máquina que inventara. O gelo produzido é tão intenso que congela o planeta inteiro.

Mas antes de congelar tudo, o boêmio manda um de seus robôs para a Lua, o qual constrói um laboratório guardando o D.N.A. da neta de Isadora para produzir milhões de cópias desta. Os clones terão um chip no cérebro, obedecerão ao poeta maluco veementemente.

CAP3: HEITOR NUVEM NEGRA NETO

Antes do início da grande guerra, há um século, o sujeito que pensava reinar sobre o mundo inteiro construíra, auxiliado por Flash e Caipora, diversos robôs à sua imagem. Os androides eram espertos a ponto de construíres outros iguais a si.

Numa invasão dos Nuvem Negra o castelo de Amadeu, na Antártida, tomba sobre inventor e criações, estas tão inteligentes que, após 100 anos envidradas em blocos inquebrantáveis de gelo, invadiam navios em bandos saqueando ferramentas e aparelhos para aumentar seu exército cibernético consideravelmente.

Os ciborgues encontram seu amo no instante de seu resgate pelas belas jovens do clã Nuvem Negra. esperam na surdina a chegada do ocaso, certificam-se de que a tripulação dorme; acordam o mestre delicadamente, oferecendo-lhe os serviços que o satisfizesse.

Fizeram um laboratório no imenso navio, uma sala de controle e uma armadura angélica em locais distintos, levantam laboratórios no solo lunar com clones de Isadora a caminho. Resistem ao ataque dos Justiceiros e do Clube da Branca Filiação ao mesmo tempo, quando o boêmio congela todo o planeta.

15 anos depois, os primeiros 10.000 clones da bela estão prontos, cada cópia venera o poeta-cantor-espadachim com toda a força de um amor induzido.

1000 anos se passam, 2 cometas colidem com o sol obrigando os planetas a saírem de órbita. Muitos se destroem em choques contra os outros e ataques de cometas, que caem com uma freqüência bem maior para quem não é satélite de algum corpo.

Um meteoro cai na Terra abrindo uma gigantesca cratera e libertando Heitor Neto que ganha poderes de fogo e gelo criando um para de asas, frio do lado sinistro e calor do destro.

O Nuvem Negra nota alguém na escuridão profunda, concentra uma bola de fogo para explodir, tanto poder é liberado que sublima todo o gelo terrestre como gás para a atmosfera.
Isadora Nuvem Negra se posta ao lado irmão, os Justiceiros levantam-se atrás deles.

Nisso, Amadeu, vestindo uma armadura de Anjo Vermelho (como se denomina doravante) cria samurais de gelo, um exército de clones de Isadora chega da lua, trajando um azul altamente transparente e blindado, e o Clube da Branca Filiação se põe a seu lado.

_Eu, Anjo Térmico, _Diz Heitor._ prometo que os Nuvem negra serão a única família de pé em instantes. Prepare-se Anjo Vermelho, você morrerá._ Samurais de fogo são criados pelo justiceiro.

_Se toda ameaça se cumprisse eu já estaria morto. Não pense que me derrota fácil, você é quem morrerá._ As asas do espadachim-boêmio transcendem para lançador de mísseis.

_Seu brinquedinho não faz efeito, seu psicopata álgido! Esquece que também sou ígneo? Justiceiros, ao ataque!_Um infindo de raios, balas, faiscar de gládios, socos, chutes e torções em golpes de diversas artes marciais tomava conta do ambiente.

Os samurais de gelo congelam os Justiceiros enquanto os de fogo incendeiam o Clube da Branca Filiação. Os clones da bela dos olhos castanhos e os androides do cantor-violeiro cortam a cabeça de cada Nuvem Negra, exceto o Anjo Térmico e Isadora.

A bela original inutiliza vários clones, robôs e Nuvem Branca até ter sua espada fatiada pela de Amadeu.

Heitor Nuvem Negra Neto concentra todo o seu poder e explode matando todos os adversários, menos o capoeira que fica apenas desmaiado. Todavia, na ora do golpe final, uma redoma é formada em volta do Anjo Vermelho.

Uma mulher semelhante à Isadora aparece via tele-porte.

_Você é outro clone meu?
_Não, bela, sou a deusa-suprema Ísis e este homem é meu protegido.
_você o ama, não? Mas este é um patife de primeira categoria!
_Não importa, ele será meu salvador no futuro. Cabe a mim protege-lo agora.
_Saiba que morrerá, sendo deusa ou não._Afirma o Anjo Térmico.
_Tente!_Esnoba a suprema-diva matando Isadora com um raio tostador.

O justiceiro concentra-se novamente e parte em disparada sobre a assassina de sua irmã. Ísis é desmaiada e ferida pelas sucessivas explosões de fogo e gelo ocasionadas pela fúria do justiceiro. A redoma protetora do capoeira-boêmio é fragmentada no decorrer do ataque.

O cantador-poeta-espadachim acorda bruscamente com o impacto dos raios do oponente, seu elmo se desprende.

_Até que enfim eu vejo uma das suas multifaces.
_E será sua ultima lembrança para o além._ O violeiro avança com sua espada diamantina dourada, mas é congelado por inteiro e arremessado ao espaço-sideral.

_Agora é sua vez, Ísis. Seu aliado já era.
Amadeu retorna à Terra coberto de gelo, recupera seu elmo e voa em direção ao seu antagonista.

_Quem é esta?_Indaga o violeiro-cantor-capoeira.
_Não interessa, pois não sobreviverá para descobrir.
Surgem dois deuses egípcios, um todo vestido de preto e outro com cabeça de chacal; Osíris, o senhor da morte e seu ajudante Anúbis.

_Ela é propriedade nossa._ Diz Anúbis. Seu rosto fica humano e dentes a mostra, é um vampiro.
_Ei, você de preto, temos umas contas a acertar. Desce aqui se for homem!_Insulta o poeta Amadeu.
_Para você basta o meu ajudante Zoroastro, (deus da esbórnia) é tão boêmio quanto você, entretanto, é forte._Osíris estrala os dedos e aparece o outro deus-vampiro.

Anúbis versus Heitor e Zoroastro versus Amadeu lutam enquanto Osíris leva Ísis nos braços para um lugar longínquo.
O Nuvem branca não se sai bem, porém o Nuvem Negra dá uma surra no deus da morte Anúbis. E sozinho derrota os outros dois.

_Três idiotas!_Pabula-se Heitor, entretanto, Osíris chega e realiza nele a diabler (quando o vampiro consome a vítima por inteiro absorvendo todo o poder dela, transcendendo o seu próprio poder para um estágio superior).

O violeiro é desperto por um raio de Aureliano, o chefe de Osíris, Anúbis e Zoroastro, que surge trazendo sua filha Clarice.

_Que tal pô-lo numa jaula, meu pai?
_Boa idéia, minha querida!_Anúbis se antecipa evocando um feitiço de prisão sobre o Anjo Vermelho, mas o poeta não usava essa armadura e sim a de Lobo Branco.

_Bela tentativa, seu palhaço!_Aciona lâminas de 30cm das costas das luvas, 3 em cada. Fere o pescoço do chacal não o matando por pouco.

Zoroastro apare na sua frente evocando o mesmo feitiço de seu colega que pega em cheio. O prisioneiro lança teias de aranha dos pulsos como um herói de outrora, colando os 5 nas grades da jaula encantada pelo pescoço. Com um controle escondido na calça faz com que a roupa angelical quebre a outra jaula, onde estava presa pelo feitiço de Anúbis, cortando as grades como a espada diamantina dourada.

Os 5 unem poderes contra a armadura, que resiste piamente quase a elimina-los quando dá pane e pega fogo. Nesse meio tempo Amadeu cerra as grades de poder com as garras.

_Adeus, seu panaca!_ Zombam ao mesmo tempo os inimigos em fuga. Lobo Branco tenta alcança-los quando é atingido por 5 raios no peito que deixam sua roupa sem capacidade para voar.

O poeta-espadachim-boêmio-capoeira-cantador-violeiro-deputado-algoz-progetista em sua roupa de Lobo Branco faz crescer asas e vai rumo ao espaço, mas desiste de alcançar seus oponentes, pois já estariam muito distante. Regressa para consertar sua armadura de Anjo Vermelho.

Aciona propulsores nos pés, retornando à sua busca; agora viaja ultrapassando a velocidade da luz.

AROLDO FILHO
Pacoti-Ceará

Nenhum comentário: