sábado, 12 de janeiro de 2008

SEDUÇÃO

Seios à mostra
Sabes que enfeitiças
Essas nádegas roliças
Quase freiam-me o andar

Curvas de cento e oitenta graus
Olhos febris em caos
A que posso te comparar
Querubim perfeito?

Vejo-te qual Satânia
Sou o poeta a admirar
Lá na torre de Ismália
Enraízam-me asas ao luar

Vôo em teus braços
De abraços desejar
Sonhos tristes, impossíveis
Infeliz de quem amar...

Coração bate em debate
Delirando emancipar
Felicidade n’aliança
Canhot’anelar

Se tu fores tentação
Que leve à porta do Inferno
Arderei sem medo nas flores
Do magma eterno

Aroldo Filho
Pacoti-Ceará, 24/01/06, 15h

Nenhum comentário: