sábado, 12 de janeiro de 2008

O AMULETO DE DÁRIO


O AMULETO DE DÁRIO

CAP1: O VERDADEIRO AMIGO DO HERÓI

Eremita, a imagem e semelhança de Dário, um garoto meio incomum. Até o dia em que reagiu a um grupo de moleques mais velhos, sobrepujando-os de mãos limpas; o apelido abandonara aquele que doravante metáva-se para o sujeito em primeiro lugar no ranking de popularidade escolar.

Nas festas, o curumim era sempre obrigado a fazer seu espetáculo à parte, não pela insistência daqueles que o conheciam, mas sim, por quem achava esse piá franzino um alvo frágil.Em duas semanas o kid transmutou-se de um tímido introvertido, de quem tiravam sarro sem cessar, para o folclore local.

Multidões advinham ver o sujeito briguento, resolveram pô-lo num filme, de título “As aventuras de Dário”.Um dia, porém, o herói voltou a entristecer, ensimesmando-se novamente. Não sabia mais se defender, embora que ninguém o pusesse à prova, todavia, sempre aparece alguém, e quando Dário via-se “em maus lençóis”, sozinho contra uns dez, aparece, “do nada”, alguém disposto a protege-lo.

Depois de algumas rasteiras bem aplicadas, chapas potentes e bênçãos certeiras, os covardes corriam como capotes prestes a visitarem a panela._Quem você é mesmo, cara?_Soares._Agradecido, sou Dário._O do filme? Como posso crer depois duma cena dessas, em que se eu não o defendesse estaria todo arrebentado a essa altura?

CAP2:FAMA EM DUSE DUPLA

_Eu tinha um amuleto, que dava toda a força de que eu precisava, no entanto, quebrei-o, voltando a ser o mesmo frangote de antes.

_Dê-me-o aqui. _O ex-ator entrega os fragmentos do dito amuleto cujos Soares lança a um rio, de modo que não possa ser reencontrado totalmente.

_Quando fizera isso, pensou em como voltarei a ser o invencível?

_Acalme-se! Invencibilidade é um ideal medíocre, entretanto, se existisse, um amuleto não o protege da covardia contida em você, agora, umas aulas de artes marciais não lhe fariam mal.

_É verdade. Você é melhor que um amuleto, um amigo sincero. A história de um novo Dário na cidade, Soares, atraiu visitantes, inda mais que outr’ora. Faziam mais tarde a dupla imbatível das telas cinematográficas, “Amuleto e Eremita”.

Aroldo Filho

Nenhum comentário: